/ Notícias

Câncer colorretal: o que é, sintomas, tratamentos e novidades em pesquisa

26 de março de 2021

O que é?

O Câncer Colorretal, também conhecido como câncer de cólon, reto ou de intestino, é um tumor que surge no intestino grosso. A doença, que se desenvolve a partir de pólipos (lesões benignas) que crescem na parede do intestino grosso, é tratável e, na maioria dos casos, curável, ao ser detectado precocemente.

Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA), o câncer colorretal é o terceiro mais frequente entre os homens, ficando atrás do câncer próstata e de pulmão. Entre as mulheres ele é o segundo mais recorrente, perdendo apenas para o câncer de mama.

O Dr. Rodrigo Melão Martinho, do Instituto do Câncer Brasil, releva que “o surgimento do CCR pode ser influenciado por fatores esporádicos, que representam de 70% a 80% dos casos, e genéticos”. Conforme dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), 70% dos casos poderiam ser prevenidos com a mudança de hábitos e acesso a colonoscopia, que permite além do diagnóstico precoce, a ressecção de pólipos (lesões precursoras).

Dentre os fatores de risco relacionados ao estilo de vida destacados pelo doutor estão: Obesidade, sedentarismo, consumo excessivo de álcool, tabagismo, dieta rica em carne vermelha e alimentos processados. Há ainda fatores que não podemos controlar, como: idade, história familiar, doença inflamatória intestinal e etnia. Por isso, Dr. Rodrigo dá o alerta “pratique atividade física, tenha uma alimentação saudável e equilibrada, controle o excesso de peso e não use drogas”.

Sinais e sintomas

Infelizmente, na maioria dos casos, o câncer colorretal não apresenta sintomas, apenas 40% dos cânceres colorretais são diagnosticados em fase inicial.

Entretanto, alguns sintomas que podem ocorrer são:

• Diarreia ou constipação.
• Sensação de que o intestino não é completamente esvaziado.
• Presença de sangue nas fezes.
• Dor abdominal tipo cólica, sensação de inchaço abdominal.
• Cansaço e fadiga.
• Perda de peso sem um motivo específico.

É preciso ficar atento, pois esses sintomas também podem estar associados a outras doenças. Contudo, apresentando qualquer um desses sintomas, um médico deverá ser consultado para o diagnóstico preciso e o início do tratamento caso necessário.

(Fonte: Oncoguia)

Diagnóstico e tratamento

Como o câncer colorretal pode ser confundido com outras enfermidades e possui baixa taxa de diagnóstico em sua fase inicial, é fundamental não ignorar os sinais e sintomas. Isso porque investigar de imediato e ter um diagnóstico precoce é essencial para um tratamento mais eficaz.

Portanto, ao sentir os sintomas e procurar um especialista, este poderá investigar o caso e chegar a um diagnóstico a partir de exames de imagem, como a colonoscopia e a retossigmoidoscopia, e través de exame de fezes, que irá buscar a presença de sangue oculto nas fezes.

A cirurgia em câncer colorretal

A cirurgia oncológica tem papel fundamental na luta contra o câncer, uma vez que até 90% dos pacientes portadores de doenças oncológicas irão necessitar de algum tipo de procedimento cirúrgico, seja para tratamento ou diagnóstico.

De acordo com o Dr. Diego Greatti Vaz da Silva, membro da Comissão Científica da Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica Regional de São Paulo (SBCO-SP), a cirurgia em paciente de câncer colorretal também é necessária. “Os tratamentos com intenção curativa contra tal doença incluem cirurgia para a retirada do segmento intestinal acometido, esse procedimento cirúrgico é um dos mais bem difundidos entre os cirurgiões que tratam câncer. Inicialmente realizada em 1900, sofreu diversos avanços técnicos e tecnológicos durante as últimas décadas, se tornando muito segura e com baixas taxas de complicação”, explica.

Hoje em dia, a cirurgia minimamente invasiva (videolaparoscopia e robótica) para tratamento de câncer colorretal é segura e preferencial para boa parte dos casos. O Dr. Diego esclarece que com ela, a incisão abdominal e o trauma cirúrgico são menores, agilizando a recuperação cirúrgica. Na cirurgia robótica, o procedimento é realizado pelo cirurgião habilitado controlando pinças de um robô, que executam os movimentos delicadamente e com maior precisão no paciente. Quando disponível, essa via facilita a cirurgia principalmente em tumores localizados no reto baixo, mais próximo do ânus.

Novidades nas pesquisas sobre câncer colorretal

O Dr. Caio Rocha Lima, oncologista, investigador e professor de oncologia clínica da Universidade Wake Forest – Carolina do Norte, destaca duas iniciativas promissoras em pesquisa contra o câncer colorretal: imunoterapia e tecnologia de DNA.

Em imunoterapia, Dr. Caio explana que a solução é focada em câncer de cólon com instabilidade de microssatélite. Esse tipo acomete em torno de 5% de pacientes com câncer de colón metastático e em torno de 15% de pacientes com câncer em estádio 2 e 3. Este tipo de câncer pode ser relacionado a predisposição genética (síndrome de Lynch) ou somática (não genética). O tratamento em imunoterapia consiste em potencializar o sistema imunológico para que ele possa combater doenças como o câncer.

Outra área de pesquisa importante citada por Dr. Caio se dedica a detectar a recorrência de células cancerosas circulantes (ctDNA) com tecnologia de DNA. Essa tecnologia é superior em detectar recorrência comparadas com a monitoração de recorrência com radiologia (CT scan, MRI, ou PET scan) ou com marcador tumoral, como o CEA.

O conteúdo desse texto é de cunho informativo e não substitui o laudo médico. Caso apresente algum dos sintomas descritos acima, um médico deverá ser consultado.

Conheça a página de doações do Instituto Projeto Cura e descubra como ajudar!  É só clicar aqui!